VIDEORREPORTAGENS

30 de jan de 2011

Consumo de carne com hormônio afeta fertilidade


Mães que consumiram grande quantidade de carne de boi tratado com hormônios para fomentar o crescimento do animal podem ter filhos menos férteis, sugeriu estudo da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos. O estudo, publicado em Human Reproduction, relacionou o uso destas substâncias a danos no esperma humano, ao constatar que os filhos de mulheres que consumiram carne em excesso têm uma possibilidade três vezes maior de ter uma contagem de esperma tão baixa que podem ser classificados como sub-férteis. O uso de substâncias que promovem o crescimento do gado foi proibido na Europa em 1988 mas, embora os Estados Unidos tenham banido alguns desses produtos em 1979, outros, como os hormônios sexuais testosterona e progesterona, ainda podem ser usados na pecuária. A equipe de Rochester examinou a contagem de esperma de homens americanos nascidos entre 1949 e 1983. (Fonte: BBC Brasil).

Dois terços das grandes cidades estão em áreas costeiras de risco


Um estudo científico publicado no jornal "Environment and Urbanization" identifica pela primeira vez as áreas costeiras baixas e vulneráveis à elevação do nível do mar provocada pelo aquecimento global. No total, 634 milhões de pessoas moram nas zonas de risco (regiões com menos de 10 metros de altitude) e esse número está crescendo, diz o estudo divulagado. Dos mais de 180 países com população vivendo em regiões costeiras de baixa altitude, cerca de 70% possuem áreas urbanas com mais de 5 milhões de pessoas, incluindo Tokyo, Nova York, Mumbai (Índia), Xangai (China), Jacarta (Indonésia) e Dacca (Bangladesh). A Ásia é particularmente vulnerável, e em geral as nações mais pobres correm maior perigo. O estudo não diz exatamente o que deve ser feito para evitar tragédias. O que tiver de ser feito, porém, não custará pouco e poderá envolver a retirada de muitas pessoas e a construção de estruturas de proteção. Além disso, acrescenta o estudo, os países deveriam considerar parar ou diminuir o crescimento populacional nas áreas de risco. (Fonte: AP).

22 de jan de 2011

Defesa Civil alerta sobre as tempestades


Tempestades são caracterizadas por raios e trovões. São produzidas por uma ou mais nuvens cumulunimbus também conhecidas como nuvens de tempestade. Uma típica nuvem de tempestades tem um diâmetro de 10 a 20 km. Cerca de 2000 tempestades estão sempre ocorrendo, o que significa que 16 milhões ocorrem anualmente em nosso planeta. A freqüência de tempestades em um dado local depende de vários fatores, entre eles a topografia, a latitude, a proximidade de massas de água e a continentalidade. Os raios podem ser perigosos. Quando estão caindo por perto, você está sujeito a ser atingido diretamente por eles. A chance de uma pessoa ser atingida por um raio é algo em torno de 1 para 1milhão. A maioria das mortes e ferimentos não acontecem devido a incidência direta de um raio. Na verdade, são efeitos indiretos associados à proximidade do raio ou por efeitos secundários. (Fonte: Defesa Civil).

Biocombustíveis são fraude, diz jornalista e ativista ambiental


Em artigo publicado jornal britânico "The Guardian", o jornalista e ativista ambiental George Monbiot afirma que utilizar biocombustíveis -- como o álcoo l-- para combater o aquecimento global "é uma fraude". "Se quisermos salvar o planeta, precisamos adiar por cinco anos os projetos em biocombustível", defende Monbiot, conhecido por suas posições contrárias à globalização. Para o jornalista, os programas de incentivo "são uma fórmula para desastres ambientais e humanitários". "Em 2004, eu alertava que biocombustíveis estabeleceriam uma competição entre os carros e as pessoas. As pessoas inevitavelmente perderiam: aqueles que podem pagar para dirigir são mais ricos que aqueles à beira da fome", escreve Monbiot. Para o autor, o Brasil é um exemplo que ilustra o "impacto" de se transformar recursos naturais em combustíveis. "Produtores de cana-de-açúcar estão avançando sobre o cerrado no Brasil, e plantadores de soja estão destruindo a floresta amazônica". (Fonte: BBC Brasil).

Os cuidados na escolha de alimentos saudáveis


Para lutar contra a falta de tempo sem apelar para a facilidade das fast food, entupindo o estômago de lanches, os restaurantes self service dão uma mãozinha. Conhecidos como restaurantes por quilo, eles conquistam uma freguesia de peso nos centros comerciais. O motivo é simples: aliam a variedade no menu à rapidez que você procura. Mas uma das vantagens pode esconder um grande problema: como montar um prato que obedeça às necessidades nutricionais e não extrapole as calorias da dieta, diante de tantas opções? Cara-a-cara com tantas bandejas apetitosas no buffet, que costuma ir de saladas até macarrão ao molho branco, a fome pode se transformar em isca para tentações que transbordam calorias. Seguir a ordem em que os alimentos estão dispostos na bancada é muito importante para fugir dos riscos à dieta balanceada. Porém, só isso não garante que você não ganhe uns quilos a mais na balança.

A importância da dieta na gravidez


Com uma nutrição saudável e equilibrada você garante um bom desenvolvimeto de seu bebê, e uma gestação melhor. A nutrição desempenha um importante papel na gestação. Foi demonstrado através de testes laboratoriais que dietas deficientes causam efeitos prejudiciais tanto à mãe quanto ao feto. Constatado por alguns estudos que a má nutrição materna pode ser uma causa de deficiência no crescimento, resultando em bebês pequenos e de baixo peso. As conseqüências da má nutrição para o feto dependem do período, severidade e duração da restrição dietética. Energia, proteínas, vitaminas e minerais são requeridos durante a gestação para suportar a demanda metabólica da gravidez e do crescimento fetal. Encontrar o requerimento energético ideal é difícil, porque ele está correlacionado com o peso da mulher antes da gravidez, o ganho de peso, período da gestação e a atividade física. De acordo com as Quotas Dietéticas Recomendadas (RDAs) é necessário um adicional de 300Kcal no período da gestação, em especial no segundo e terceiro trimestre. (Fonte: CUBM).